Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing. Afinal, são ou não a mesma coisa?

6 min. leitura
Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing são como os melhores amigos, podem ter as suas diferenças, mas um não vive sem o outro.
marketing conteudo e inbound

 

Decidi começar este texto pela conclusão. Portanto, fica desde já dito que Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing não significam a mesma coisa.

Não revelei o fim da história por rebeldia. Foi por considerar que esta é a parte menos importante a abordar nesse assunto.

É verdade que muita gente confunde o Content e o Inbound Marketing. Porém, também é verdade que, muitas vezes, dá-se quase mais importância aos nomes do que às estratégias propriamente ditas.

Como tenho defendido algumas vezes, se a estratégia for eficaz, pouco importa como a chamamos.

A Relação do Marketing de Conteúdo com o Inbound Marketing.

Uma vez que comecei este artigo a partir do fim, vou manter a coerência e falar da relação entre os dois conceitos antes de explicar cada um deles.

Inbound Marketing e Content Marketing são duas estratégias ainda muito recentes no Marketing Digital. Por outro lado, são duas técnicas tão próximas e complementares, que são capazes de confundir até mesmo os profissionais mais experientes. Mesmo aqueles que não têm dúvidas sobre as diferenças entre ambas, podem não ser unânimes sobre a forma como as duas se relacionam.

Para ajudar a elucidar um pouco as coisas, vamos ver o que diz o State of Inbound, o estudo anual da Hubspot. Já agora, a empresa que, simplesmente, inventou o conceito de Inbound Marketing.

Para um universo de 3.500 profissionais de marketing e vendas, a Hubspot perguntou como descreveriam da melhor forma a relação entre Inbound Marketing e Content Marketing. As alternativas de respostas foram:

  • São sinónimos.
  • O Marketing de Conteúdo é uma subcategoria do Inbound Marketing.
  • O Inbound Marketing é uma subcategoria do Marketing de Conteúdo.
  • Os dois são fundamentalmente diferentes.
  • Não sei.

Pois bem, para a esmagadora maioria, ou seja, para 60% dos inquiridos, o Marketing de Conteúdo é uma subcategoria do Inbound Marketing. Ao analisar a forma de implementação das estratégias, sinto-me obrigado a concordar com esta conclusão.

Para perceber melhor, agora sim, vamos às diferenças entre um e outro.

O QUE É INBOUND MARKETING?

É muito comum encontrarmos a imagem de um íman associada ao Inbound Marketing. Isso acontece porque o Inbound também é conhecido como Marketing de Atração.

Quem inventou o conceito, diz que o Inbound é o conteúdo que o cliente procura. Por outro lado, o Outbound seria o conteúdo invasivo, que interrompe o conteúdo principal.

Dito de outra forma, o Outbound seria a chamada publicidade tradicional. Sabem quando estão a ver um filme na televisão e, de repente, vem o intervalo? Pois é, a culpa, afinal, é do Outbound.

O princípio do Inbound Marketing é básico e totalmente adaptado ao novo perfil do consumidor.

Nos dias de hoje, sempre que tem um problema a resolver, a maioria das pessoas vai primeiro ao Google. Ali, fica a conhecer as soluções apresentadas por determinados produtos ou serviços.

O que o Inbound faz é oferecer a estas pessoas os conteúdos necessários para que elas encontrem respostas, resolvam problemas e decidam pela compra numa empresa específica.

Para ter noção da importância do Inbound Marketing, há dias eu conversava com um amigo que trabalha no marketing de uma marca automóvel. Ele dizia que, em Portugal, há pouco mais de dez anos, um cliente podia ir ao concessionário até 12 vezes, entre a primeira visita e o momento de levantar o carro. Hoje, este número nunca ultrapassa as 3 visitas. Isso significa que a maior parte da informação já foi anteriormente obtida. Consegue adivinhar onde, certo?

Para concluir, podemos dizer que o Inbound acaba por ser bastante pragmático. O seu objetivo será o de gerar leads e o de converter esses leads em clientes.

O QUE É MARKETING DE CONTEÚDO?

Podemos dizer que o Marketing de Conteúdo é o alimento do Inbound Marketing. Aqui, temos todo o conteúdo relevante que é criado e disponibilizado para informar, educar, entreter e manter uma relação com o cliente.

Se utilizássemos o exemplo de uma empresa, poderíamos dizer que o Inbound é o departamento de comercial e o Content é o departamento de Marketing.

Com isso, quero dizer que enquanto o Inbound tem o foco nas vendas, o Marketing de Conteúdo pode ter funções diversas como criar autoridade, notoriedade e relacionar-se com o cliente por muito tempo depois da conversão.

Note-se: quando dizemos que o conceito de Marketing de Conteúdo é novo, referimo-nos à sua aplicação no Marketing Digital.

A utilização de conteúdo como forma de marketing, na realidade, é bastante antiga. Esta técnica já era utilizada muito antes de ter um nome que a identificasse. Ou seja, reforço a ideia antes apresentada, de que a estratégia é mais importante do que a sua nomenclatura.

Apenas como um exemplo de estratégia de conteúdo no período pré-Internet, temos o Guia Michelin. Lançado pela primeira vez em 1900, este foi um guia turístico feito a pensar no mercado automobilístico que se desenvolvia na época. O Guia Michelin foi sucesso. Ainda hoje é uma referência, quase 120 anos depois da sua primeira edição.

O Content Marketing é mesmo uma subcategoria do Inbound Marketing?

Agora que já vimos a definição de ambas as estratégias, podemos retomar o assunto da relação entre as duas.

Conforme foi dito acima, tenho uma forte inclinação a concordar com a conclusão do estudo da Hubspot.

Vejamos: nestes tempos de Google, para gerarmos atração temos de ter conteúdos relevantes. Já sabemos que quem gera atração é o Inbound Marketing. Porém, quem cria conteúdos relevantes é o Content Marketing. Logo, o Inbound não vive sem o Content.

Portanto, se pretende uma estratégia forte de angariação de leads e de conversão em vendas, vai precisar do Inbound Marketing com muito apoio do Marketing de Conteúdo.

Se quiser ganhar mais autoridade, notoriedade e manter a relação com o cliente mesmo após a venda, desenvolva um trabalho consistente de Marketing de Conteúdo.

Espero que tenha ficado tudo claro. Porém, se não ficou, insisto no argumento: o que importa mesmo, é ter uma boa estratégia.

Quer descobrir mais sobre o Marketing de Conteúdo, descubra o nosso Guia Completo do Content Marketing. 

Paulo Stenzel

Publicitário e ex-punk rocker. Gosta de escrita, de música e de escrever com música. Pensa a criatividade de forma estratégica e as estratégias de forma criativa. Meio brasileiro, meio alemão, escolheu Portugal para viver.

50% Complete

Subscribe to the Blog and dont miss any update

You will get no Spam and no BS. Just my very best material.

Receive weekly strategies. Unsubscribe anytime.